quinta-feira, 10 de março de 2016

*Fazes parte de mim...No jorrar d’uma Cascata... quando alinho o meu Amor e quando adio o Tempo*



Fazes parte de mim...
Assim como um rosto no espelho... refletido...
Talvez como um sentir que corre pelas minhas veias,
Porque sei que és alma pura....
Sei que és sonho...és cascata de silêncios... que jorram em efeito mágico,
Sem que eu possa explicar, pois me faltam os sentidos que ecoam quando penso em Ti....

Chego a sentir, desde sempre, 
Esse tempo invertido....esse espaço que floresce como raiz profunda,
Ligando as promessas, adiando os impedimentos,
Garantindo que as tempestades não nos atrasarão,
Não nos farão cair em vícios e em despedidas que nunca chegarão ao final....

Belo e Doloroso!
Santo e Cruel!
Leve e Aquebrantado!

Sei como é a liberdade de querer transpor a alma,
De transformar em doçura todas as palavras,
Que não cabem no peito....
E de construir essa respiração que não encontramos, seja lá onde quer que ela esteja...

Tenho a esperança como norte... como sendo o confidente das lágrimas que brotam,
A cada passagem dos olhos, a cada horizonte que desenha a minha saudade....
Sorrateira... 
Testemunha fatal e itinerante...


Me expresso em voz baixa....



Na respiração que o meu sentimento busca,
Na miragem dos dias que sorriem,
Na doação que encontro quando tua voz ressoa...
No céu distante que abriga a minha ilusão....

Talvez a certeza da minha inspiração possa ser como a oração...
Sagrada....Beatificante...
Que da boca é exaltada e pronunciada no altar dos teus olhos....

Fazes parte de mim...
Habitas em meu ventre e acobertas a minh’alma...
Consegues brotar nesse meu lugar mais secreto e escondido....
Onde alguém jamais poderá me encontrar....

Aqui...
Dentro da tua Felicidade....








*No encontro do teu peito, o caminho de um Abraço...*



Por enquanto, aquieto-me aqui...
Recolhendo entre os dedos o pranto, que não se faz tardio,
E que desce morno e calmo,
Apertando um nó embaralhado, dentro do peito...

Por enquanto, teço segredos que se calam dentro das minhas possibilidades,
Planejando as horas,
Na tentativa de poder confessar que a minha saudade adormece na memória,
Não sabendo, nunca, como expressar o vazio que vai por dentro...

Todos os segundos são gestos aprofundados,
Que guardo com carinho, quando quedam, 
Espalhados pelo chão...
Recolho-os seja no findar de uma tarde, que cai lenta,
No iniciar de uma noite, que surge morosa,
Ou até mesmo no romper de um novo dia, 
Que nada promete,
Porque talvez, algo, nunca poderá cumprir...

Entendi que os distanciamentos não são assim tão longos,
Eles encaixam-se na medida exata, aquém da própria Razão...

São apenas fantasmas superficiais, 
Que teimam em fazer de moradia, os desejos que consideramos impossíveis...

E foi nesse emaranhado imposto pelo Destino,
Na confusão escancarada do meu caminhar,
Que me escondi e fugi de todo e qualquer entendimento...
Que percebi que as letras da Vida podem ser rascunhadas a ermo,
Ainda que não sejam lidas,
Tampouco compreendidas...

Quanto mais penso na brevidade dos dias,
Quanto mais percebo os pontos de interrogação que se acercam da minha janela,
Mais me convenço de que a minha alma ainda consegue sorrir...
Mais me convenço de que os meus olhos ainda podem resistir...

E quando chegas de retorno, 
Naquela vinda que é sempre tão esperada,
E inesperada,
Esqueço-me das mágoas,
Dos sonhos inacabados,
E de tudo aquilo que me parecia efêmero...

E fico assim, envolvida em plenitude, 
Em teu abraço quente,
Terno,
Único, 
E Acolhedor...